ss

O que são

As Micoses Superficiais (tineas) são infecções causadas por fungos. Podem afetar a pele, cabelos e unhas, que são camadas queratinizadas do organismo. Dá-se o nome de dermatofitose a micoses superficiais causadas por três gêneros de fungos: zoofílicos, geofílicos e antropofílicos.

Vários fatores são determinantes para a contaminação por estes fungos, entre eles o clima quente e úmido, contato frequente com pessoas e animais contaminados, queda de imunidade, uso constante de sapatos fechados e uso de antibióticos por tempo prolongado.

Sintomas

De acordo com a localização, as dermatofitoses são classificadas em: tinea capitis (micose do couro cabeludo), tinea corporis (micose do corpo), tinea barbae (micose da barba), tinea cruris (micose da região inguinal), tinea manus e pedis (micose das mãos e pés) e tinea unguinum ou onicomicose, quando afetam as unhas.

Tinea capitis: a principal faixa etária acometida são crianças em idade escolar. A transmissão ocorre, na maioria das vezes, pelo contato com animais e indivíduos contaminados, podendo evoluir para epidemia, quando não tratada adequadamente. As lesões são caracterizadas por áreas com perda de cabelo (alopecia), acompanhadas ou não de descamação, drenagem de secreção purulenta e pequenos abcessos, que podem originar cicatrizes, se não tratados adequadamente.

Tinea corporis: é transmitida por contato interpessoal e animais contaminados. Climas quentes e úmidos estão relacionados à maior incidência da doença. As lesões características são anulares, com crescimento centrífugo, descamação na borda e cura central, acompanhadas de prurido (coceira). Pode disseminar-se, se não houver tratamento adequado, ou em casos de comprometimento do sistema imune.

Tinea cruris: atinge as regiões inguinal, genital, pubiana, perineal e perianal. O contato com indivíduos contaminados e o uso de roupas contaminadas (sungas de banho, cuecas) são as principais formas de contágio. A doença tem sua incidência aumentada em meses de calor, sendo os homens mais acometidos que as mulheres. Habitualmente, as lesões são muito pruriginosas, bilaterais e formam placas de coloração avermelhada com vesículas na periferia. Muitas vezes estas lesões ficam maceradas e dolorosas.

Tinea barbae: é infecção rara, com inflamação, descamação ou presença de pus nos pelos da barba. Normalmente é contraída pelo contato com animais e através do uso de aparelhos de barbear contaminados.

Tinea pedis e manus: a tinea pedis é a micose superficial mais comum da população mundial. É encontrada com maior frequência em indivíduos que frequentam piscinas, usam sapatos fechados, diabéticos e em meses de temperaturas elevadas. É popularmente conhecida como pé-de-atleta ou frieira. A apresentação clínica mais frequente é a forma intertriginosa, com fissuras, descamação e maceração dos espaços interdigitais. Outras formas clínicas são caracterizadas apenas por descamação plantar ou pela presença de vesículas plantares. Todos os quadros clínicos são frequentemente associados a prurido. A tinea manus é uma afecção menos frequente, associada ao contato constante com água e sabão.

Onicomicose: é a infecção da lâmina ungueal por qualquer fungo ou levedura. As lesões podem acometer a borda distal da unha, que se torna opaca, ou podem ser caracterizadas por manchas brancas na superfície da lâmina ungueal. Várias unhas podem ser acometidas ao mesmo tempo, sendo este quadro frequente em indivíduos imunocomprometidos.

Saiba Mais

O diagnóstico das micoses superficiais é feito através de exame micológico direto e cultura do raspado da lesão e pode ser complementado pelo exame com lâmpada de Wood (alguns fungos emitem fluorescência característica quando examinados com esta lâmpada).

Dicas para prevenir micoses:

- Use aparelhos de manicure sempre esterilizados;

- Evite ambientes úmidos e públicos sem calçados adequados;

- Troque os sapatos todos os dias, mantendo-os sempre arejados e dê preferência a sapatos abertos;

- Mantenha áreas de dobras e espaços interdigitais sempre secos (considere o uso de secador de cabelos após o banho);

- Dê preferência a meias e roupas íntimas de algodão;

- Evite contato com animais que apresentem qualquer alteração na pele ou pelo.

- Não mexa na terra sem usar luvas.

Fontes: Editoria Médica.

Rea C, Greenawald MH. What is the best method of diagnosing onychomycosis?

J Fam Pract. 2003;52(12):929-30.

Gupta AK, Ryder JE. How to improve cure rates for the management of onychomycosis.

Dermatol Clin. 2003;21(3):499-505, vii.

Gupta AK, Ryder JE, Baran R. The use of topical therapies to treat onychomycosis.

Dermatol Clin. 2003;21(3):481-9.

Gupta AK, Ryder JE. The use of oral antifungal agents to treat onychomycosis.

Dermatol Clin. 2003;21(3):469-79, vi.

Pereda J, Noguera X, Boncompte E, Alguero M, Izquierdo I. Efficacy of flutrimazole 1% powder in the treatment of tinea pedis. Mycoses. 2003;46(3-4):126-31.

Vander Straten MR, Hossain MA, Ghannoum MA. Cutaneous infections dermatophytosis, onychomycosis, and tinea versicolor. Infect Dis Clin North Am. 2003;17(1):87-112.

Roberts DT, Taylor WD, Boyle J; British Association of Dermatologists. Guidelines for treatment of onychomycosis. Br J Dermatol. 2003;148(3): 402-10