ss

O que é

A depressão é um transtorno mental comum, considerado um problema prioritário de saúde pública, pois afeta cerca de 120 milhões de pessoas no mundo todo, de acordo com a OMS. Em 2000 já era considerada a primeira causa de incapacidade entre todos os problemas de saúde, medida em anos vividos com a disfunção.

 

Sintomas

Caracteriza-se por tristeza, choro fácil, sentimentos excessivos de culpa e baixa autoestima. Para o deprimido, tudo costuma parecer fútil ou sem importância, vazio e sem graça. As crianças e adolescentes, principalmente, podem se apresentar mais irritadas que tristes. Há perda de interesse ou incapacidade de sentir prazer em atividades habituais, mesmo aquelas que antes eram consideradas agradáveis. Também são comuns as alterações do sono e apetite, o cansaço e a falta de energia, a dificuldade de concentração, com consequente prejuízo da memória. A lentificação e as dores pelo corpo são outros sintomas frequentes. Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio podem ocorrer nos casos mais graves.

É importante ressaltar que estes sintomas precisam estar presentes na maior parte do tempo por, no mínimo, duas semanas, para se caracterizar um quadro depressivo. Este quadro é diferente da tristeza, que pode acometer qualquer pessoa em situações específicas, e em geral dura horas ou poucos dias.

A depressão perdura por semanas, meses e até anos, comprometendo a vida pessoal e profissional das pessoas. Muitos evitam o convivo social, preferindo o isolamento. As relações familiares podem ser prejudicadas por este comportamento e pela dificuldade dos familiares em compreendê-lo. Somente o deprimido sabe o quanto está sofrendo, a depressão é invisível, não sangra… As pessoas próximas ao deprimido muitas vezes não a compreendem por não "verem" a doença.

 

Fatores de Risco

As causas da depressão ainda não foram esclarecidas, mas múltiplos fatores parecem estar envolvidos na sua gênese, entre eles, fatores genéticos, biológicos e ambientais. Indivíduos do sexo feminino, divorciados, com história de depressão na família, ou aqueles submetidos a eventos de vida estressantes ou a estresse crônico têm maior risco de desenvolver um quadro depressivo.

 

Diagnóstico

O diagnostico é clínico, baseado nos sinais e sintomas já descritos, não havendo exames específicos que identifiquem a doença. Um exame clínico completo é indispensável, uma vez que diversas condições clínicas podem estar associadas a um quadro depressivo.

 

Saiba Mais

Diversas medicações e doenças clínicas podem estar associadas ao surgimento de sintomas depressivos, entre elas estão medicações como anti-hipertensivos, corticosteroides e antineoplásicos; doenças endócrinas como alterações da tireoide e o diabetes; doenças neurológicas como a esclerose múltipla e a epilepsia; o lupus, a artrite reumatoide, entre outras.

As consequências da depressão, por sua vez, não se restringem ao sofrimento pessoal e prejuízo funcional do indivíduo. Estudos demonstram que a depressão aumenta o risco de mortalidade por doença coronariana, podendo até ser um fator de risco para o desenvolvimento desta doença. A associação dos estados depressivos com câncer ainda não está bem estabelecida, mas já se sabe que sua presença piora o prognóstico do câncer. Também existem estudos sugerindo que a depressão está associada a um pior prognóstico da AIDS.

Os medicamentos antidepressivos e a psicoterapia são efetivos para a grande maioria dos casos. Porém, menos de 25% dos indivíduos afetados no mundo recebe tratamento adequado. Uma das principais razões para que isto ocorra é o estigma social associado aos transtornos mentais, incluindo a depressão. Muitas pessoas ainda a consideram uma “fraqueza”, ou falta de “força de vontade”, até mesmo muitos indivíduos deprimidos, que se recusam a procurar ajuda. Outro equívoco comum é acreditar que sintomas depressivos seriam “normais” em determinados períodos da vida como a menopausa ou a terceira idade. Por impedir o acesso ao tratamento, estas ideias acabam impossibilitando que indivíduos acometidos pela depressão possam voltar a desfrutar da vida plenamente.