ss

A asma é caracterizada pelo estreitamento das vias aéreas, pois a hipersensibilidade ao contato com determinados estímulos produz uma inflamação crônica dos brônquios.

 

Como evitar as causas comuns das crises de asma:

- As causas alérgicas domésticas mais comuns são a poeira, os ácaros da poeira, mofo, baratas, resíduos da descamação da pele e pelos de animais domésticos;

- Qualquer medida para diminuir a exposição a essas causas auxilia na redução do número ou da gravidade das crises. Para isso, é necessário determinar a causa da alergia para aquele paciente (através de testes alérgicos);

- A exposição a ácaros da poeira pode ser reduzida pela remoção de carpetes e tapetes que recobrem todo o assoalho e pela manutenção da umidade relativa em níveis baixos (de preferência inferior a 50%) durante o verão, com a utilização de ar condicionado;

- Capas especiais para travesseiros e colchões também ajudam a reduzir a exposição aos ácaros e à poeira;

- Deve-se evitar a presença de gatos e cães para que ocorra uma diminuição significativa de descamação de pelos de animais;

- Vapores e fumaças irritantes, como fumaça de cigarro, também devem ser evitados. Em alguns asmáticos, a crise pode ser desencadeada pela aspirina e por outras drogas anti-inflamatórias;

- Os sulfitos (adicionados a determinados alimentos como conservantes) podem desencadear uma crise em um indivíduo suscetível após o consumo de saladas, de cerveja ou vinho tinto;

- As crises de asma podem ser prevenidas se os fatores que a provocam forem identificados e evitados.

 

Sintomas:

As crises de asma variam em frequência e gravidade:

- Alguns indivíduos não apresentam sintomas na maior parte do tempo, manifestando-os nas crises de curta duração e ocasionais;

- Outros indivíduos apresentam tosse e chiado no peito na maior parte do tempo e, além disso, apresentam crises graves e prolongadas;

- O choro ou o riso forte também podem desencadear os sintomas em crianças pequenas;

- Uma crise de asma pode ter início súbito com o indivíduo apresentando chiado no peito, tosse e dificuldade para respirar.

 

O vício de fumar é responsável por:

97% do câncer de laringe;

90% das mortes por câncer no pulmão;

85% das mortes por bronquite e enfisema;

50% dos casos de câncer de pele;

30% das mortes por câncer;

25% das mortes por doenças do coração e derrame.

O sistema respiratório, por ser a via de entrada das 4.720 substâncias tóxicas inaladas no ato de fumar, das quais 80 são cancerígenas, é o principal atingido por esse vício.

 

Quando se fuma, as seguintes consequências estarão presentes:

1. Aumento do ritmo cardíaco ou arritmia;

2. Redução do paladar e do olfato;

3. Destruição dos cílios dos brônquios, que são responsáveis por retirar dos pulmões as substâncias agressivas (aumenta o risco de diversas doenças do sistema respiratório); Redução da resistência e disposição para atividades físicas;

4. Dificuldade respiratória, provocando crises de rinite, sinusite, bronquite e asma;

5. Aumento do risco de doenças coronarianas (infarto) e acidentes vasculares cerebrais (derrames);

6. Agravamento de doenças do sistema digestivo (gastrite, úlcera, etc.);

7. Risco de câncer muito aumentado.

A utilização de medicamentos somente deve acontecer sob prescrição e supervisão médica, já que os medicamentos específicos para o tratamento da asma e da bronquite crônica podem apresentar efeitos colaterais intensos e graves.

Fonte: Editoria Médica.